Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
15/08/19 às 14h49 - Atualizado em 15/08/19 às 15h00

Doação de sangue é essencial a quem aguarda transplante de medula óssea

 

Em apenas dois dias, a Fundação Hemocentro de Brasília recebeu 15 vezes mais cadastros de doadores de medula óssea do que a média diária dos sete primeiros meses de 2019. O aumento se deve principalmente a uma mobilização de estudantes e amigos de um universitário de Brasília diagnosticado com leucemia aguda.

 

O Hemocentro faz, em média, 20 cadastros de doadores de medula óssea diariamente. No último sábado (10), porém, logo após o início da campanha em prol do estudante, foram pouco mais de 100 cadastros. Na segunda-feira seguinte – dia da semana em que o movimento de doadores é geralmente baixo –, 216 pessoas compareceram.

 

O transplante de medula óssea pode ser indicado no tratamento de doenças hematológicas como leucemia, linfoma e anemia aplásica. No entanto, o paciente nessas condições também precisa regularmente de transfusões de sangue.

 

“É necessário incentivar a doação de sangue e mostrar a importância desse ato quando alguém se sensibiliza para se cadastrar como doador de medula óssea. É uma maneira de ajudar duplamente quem está enfrentando a doença”, ressalta a gerente do Ciclo do Doador, Anne Ferreira.

 

Quem optar pela doação de sangue e o cadastro como doador de medula óssea pode agendar o atendimento pelo telefone 160, opção 2. O agendamento dá direito à senha preferencial no horário marcado.

 

O atendimento do Hemocentro é de segunda a sábado, das 7h às 18h. É preciso apresentar documento de identidade oficial com foto.

 

Venha doar!

 

Para doar sangue, é preciso ter entre 16 e 69 anos de idade, pesar mais de 51 kg e estar em bom estado de saúde. O candidato deve vir bem alimentado (evitando alimentos gordurosos e derivados do leite pelo menos três horas antes da doação), não ingerir bebidas alcoólicas 12 horas antes da doação e beber bastante água 24 horas antes de doar.

 

Quem fez procedimento estético (tatuagem, maquiagem definitiva, piercing), passou por cirurgia ou algum tipo de endoscopia, ficou doente e/ou fez uso de medicamentos recentemente fica impedido temporariamente de doar. O tempo restritivo das causas mais comuns de impedimento está disponível no site do Hemocentro.

 

Já para se cadastrar como doador voluntário de medula óssea, é preciso ter entre 18 e 55 anos de idade, estar em bom estado de saúde e não ter doença infecciosa ou incapacitante. Será retirada uma amostra de sangue para fazer o exame que identifica as características genéticas do doador. Essas informações vão ser cruzadas com os dados de pacientes que necessitam de transplantes para determinar a compatibilidade. É importante manter os dados pessoais atualizados, principalmente os telefones de contato, no site do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

 

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o doador ideal (irmão compatível) só é encontrado em 25% das famílias brasileiras. Quando não há alguém na família, é preciso identificar um doador alternativo a partir dos registros voluntários. Nesse caso, a chance de o paciente encontrar um doador compatível é de uma em cada 100 mil pessoas, em média.

 

Atendimento à imprensa

 

Solicitação de dados e entrevistas: ascom@fhb.df.gov.br ou imprensa.fhb@gmail.com

Para outras informações: (61) 3327-4458

 

Fundação Hemocentro de Brasília - Governo de Brasília

FHB

Setor Médico Hospitalar Norte, quadra 3, conjunto A, bloco 3. Asa Norte, Brasília-DF. CEP: 70.710-908.